História da Borboleta

Leia mais

Inscreva-se no YouTube

Leia mais

Pesquisa de Público

Leia mais

Ganhe 10% de desconto usando o código Carina Rocha

Leia mais

Anuncie

Leia mais

16 novembro 2015

Causas psicológicas da violência contra a mulher


A violência contra a mulher existe desde os primórdios da criação e persiste, por incrível que pareça, até os dias atuais. Vivemos na era da pós-modernidade onde as mulheres conquistaram os seus direitos, através de leis, inclusive a Maria da Penha, Lei Nº 11.340. Mesmo diante de todos esses acontecimentos, ainda a mulher continua sendo alvo da violência.

Conforme pesquisa do Departamento de Medicina Preventiva (USP), as mulheres
são vítimas de vários tipos de violência: psicológica (41,8%); física (27,2%); sexual (10,1%). Dentre as entrevistadas 17,2% foram violentadas das três formas. Esses dados são maiores quando se trata do país.
Como “Deus é amor” (1 Jo 4.8), não tolera nenhuma dessas agressões. A Bíblia condena todo tipo de violência contra mulher, a qual é destacada como a parte “frágil” (1 Pe 3.7).

“A língua tem poder sobre a vida e sobre a morte.” (Pv 18.21) Os mesmos lábios do esposo que prometeu no altar, diante de Deus, amor eterno em todas as circunstâncias, depois de algum tempo (em alguns casos, na saída da igreja após o casamento) proferem declarações de ira, ódio, injúrias, maldição,  calúnias e críticas infundadas sobre sua esposa. Da mesma forma como as mulheres são assediadas, humilhadas, difamadas em seus ambientes de trabalho, em escolas e até mesmo entre os parentes, amigos e, pior ainda, no próprio ambiente familiar (pais e mães que expõem e ridicularizam as filhas).

Mulheres que passam por essas formas de tortura psicológica, muitas vezes chegam a estados depressivos; surtos psicológicos (que muitos acreditam serem quadros possessivos); baixa autoestima; complexo de culpa e de inferioridade; desejo de separação matrimonial; e infelizmente, desejos suicidas.


“Quando vocês ficarem irados, não pequem...” (Ef. 4.26). Deus nos alerta em sua Palavra a não fazermos uso da agressão verbal. Sendo assim, devemos exercer o que a Palavra nos ensina no texto de Gálatas 5.22,23: “amabilidade, bondade, [...]  mansidão e domínio próprio.” Agindo assim, nossas palavras ministrarão a bênção no psiquismo de nossas esposas e irmãs (de sangue ou no sangue de Cristo).
 Hoje estamos diante de uma série de leis e situações bizzarras que dizem respeito ao corpo feminino: aborto, fertilização in vitro, legalização da prostituição, etc. Ao olharmos para história da humanidade entenderemos que essas decisões erradas, são na verdade consequência das barbáries cometidas contra a mulher. Além do fato de muitas estarem se masculinizando como forma de defesa, bem como repudiando a Bíblia, quando afirma que as mulheres devem ser submissas aos maridos (Ef. 5.22 e 24).

Entretanto, quando vivemos o amor de Deus que não faz acepção de pessoas (At 10.34), bem como nos leva a fazer o bem a todos (Gl 6.10), seremos santos irrepreensíveis e colaboradores para que a mulher seja preservada em santidade no “espírito, a alma e o corpo” (1 Ts 5.23).
E quanto às mulheres que já sofreram todos esses tipos de violência? Temos o Deus que diz: Eu a “resgatarei das garras dos violentos” (Jr 15.21).







Este texto é um artigo do Dr. Emerson CobianchiPh.D. em Psicologia – Florida Christian University; Doutorado em Teologia – Seminário Teológico Cristo Para às Nações ;Mestrado em Aconselhamento Clínico – Florida Christian University; Pós-Graduado em Psicopedagogia e Docência do Ensino Superior – Escola Superior Aberta do Brasil; Técnico em Reabilitação de Dependentes Químicos - IFPR; Filósofo e Psicanalista – Sociedade Psicanalítica do Paraná; Perito da Justiça do Trabalho; Diretor e Professor do Instituto de Psicanálise da Sociedade Psicanalítica do Paraná; Escritor


Um comentário:

  1. Gostei muito do post,sou pastora evangélica casada com um homem excelente que também é pastor e meu marido é uma benção, muitos líderes evangélicos devem esclarecer cada vez mais essa questão da submissão,e as pastoras terem mais cuidado de como ensinam o que é submissão,pois as vezes são mais machistas que os próprios homens.amei seu blog,parabéns.
    http://kellygfernandes.blogspot.com.br/
    http://tdconhecimento2.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir